cash loans online california
Bahia - Brasil -


Queda de Dilma preocupa; oposição festeja

 

Mais DILMA Ccedo do que se esperava – se é que de fato se esperava – a sucessão presidencial dá sinais de queda vertiginosa da presidente Dilma Rousseff, conseqüência dos seus problemas com a base aliada, como o PR, por exemplo – que ontem lançou um manifesto para o retorno de Lula – da economia que claudica e dos escândalos recentes, especialmente da Petrobrás. De março para cá a presidente tem perdido pontos nas pesquisas de opinião (todas) que se aceleraram nos últimos 20 dias. Perde na pesquisa sobre a eleição e na forma como governa o País. De outro modo, a oposição começa a apresentar sinais de crescimento sustentado, mesmo que os candidatos, Aécio Neves e Eduardo Campos, não sejam do pleno conhecimento de boa parte da população do País. A pesquisa hoje divulgada, da CNT (Confederação Nacional dos Transportes), é mais um fator revelador da queda (ver abaixo). Ainda ontem, ao falar para empresários na Associação Comercial de São Paulo, Aécio Neves chegou a dizer, em seu discurso, que o segundo turno não terá Dilma, porque será disputado entre ele e Eduardo Campos. É uma afirmação temerária, sem dúvida. Mas o fato é que a presidente realmente cambaleia e está enfrentando uma crise, com a divisão da sua base de apoio político e até dentro do PT, onde há uma larga fatia que prefere Lula na disputa. Dilma não conseguiu, até aqui, se afirmar como política, e enfrenta obstáculos como gestora, especialmente na área empresarial. De tal sorte que, como hoje voltou a acontecer, quando ela cai nas pesquisas a Bovespa sobe. Nunca aconteceu fato similar na política brasileira. Não que eu me lembre. Na pesquisa do CNT, a presidente caiu nada menos de 6,7 pontos, descendo de 43,7% para 37%. É uma queda forte. Enquanto isso os seus adversários cresceram. Aécio Neves pulou de 17% para 21,6%, ou seja, 4,6%, enquanto Eduardo Campos subiu dois pontos e foi para 11,8%. Atingiu a marca dos dois dígitos. Por enquanto, Dilma ainda ganharia no primeiro turno, mas está ficando apertado. Ou ela e seus marqueteiros inventam uma saída para voltar a crescer ou a previsão de Aécio poderá vir a se confirmar, embora seja muito cedo para admitir-se uma disputa em segundo turno com Dilma fora do páreo. O pior que a situação para ela é de crise, e já se assiste a debandadas de  correligionários. Enfim, enfim a situação para o Palácio do Planalto não é nada confortável. Para o PT, de igual modo.

Deixe seu comentário
NOTÍCIAS RELACIONADAS

contato@teixeiranoar.com.br
Contato - (073) 8803-3752 /9959-9170
Quem Somos
Fale conosco
Eventos Realizados