TEIXEIRA NO AR

Tudo sobre Teixeira de Freitas e Região!

galeria Polícia Regionais

Jovem capixaba é atacado e morto a tiros na via pública de Itabatã, distrito de Mucuri

ITABATAN 2

Um jovem oriundo do vizinho estado do Espírito Santo, foi emboscado e morto a tiros por volta das 15h30 desta quinta-feira (12/09), na Rua Rio Mucuri, bairro Triângulo Leal, em Itabatã, distrito do município de Mucuri. Conforme o titular da Polícia Civil no município de Mucuri, delegado Charlton Fraga, no bolso da bermuda do jovem que era totalmente desconhecido da população, foi encontrada uma Carteira de Trabalho que indica ser da vítima ao comparar a fotografia do documento.

Segundo o delegado Charlton Fraga, a vítima trata-se de Jeferson Dantas Passos, 19 anos, com o qual também foi localizada uma passagem da Viação Águia Branca, dando conta que ele embarcou às 23h do último dia 9 de setembro na Rodoviária de Vitória e desembarcou na manhã seguinte em Posto da Mata, distrito do município de Nova Viçosa. O comandante da 5ª Companhia da Polícia Militar em Itabatã, 1º tenente Divaldino Filho, disse que a PM já tinha informação que foi colhida por moradores, que este jovem estaria há dois dias na companhia de outros dois jovens desconhecidos rondando pelas ruas de Itabatã, e a suspeita é grande que ele tenha sido morto pelos próprios companheiros.

No local os peritos Bruno Melo e Pablo Bonjardim, do Departamento de Polícia Técnica de Teixeira de Freitas evidenciaram que o jovem foi alvo de um ato clássico de execução. Segundo o perito criminal Bruno Melo o jovem que possuía o corpo todo marcado por tatuagens, foi assassinado por 6 tiros, um que lhe atingiu a parte frontal da testa do lado direito e depois de caído, ele foi alvejado por mais 5 tiros que também lhe acertaram a cabeça na região da orelha esquerda. Todas as perfurações produzidas pelos disparos fatais não transfixaram o cadáver e somente no exame de medicina legal, quando extraídos os projeteis, será possível saber com precisão qual foi o calibre da arma utilizada para o assassinato.

Por Átylla Borborema

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *